24/07/2011

Amo-te!



No balancé da lua cheia
Voamos, tu e eu
Suspensos do céu
Amarrados pelos raios do luar
Subimos as montanhas
E descemos vales de oiro
Feitos para amar

Doce viagem
Esta, do teu desejo em mim
Absolutamente sem pudor
Desnudando almas
Entregues ao momento
Que outra coisa diria
Tanto deste sentimento?

Nunca ou sempre
É a eternidade
Que está em cada momento
Do caminho que percorremos
Numa floresta
De sonhos plantada
E onde digo: Amo-te!



Nefertiti

4 comentários:

JoséManuelBarbosa disse...

Ele há luares mágicos
e mesmo que não os haja
ele há lugares mágicos
montanhas ou vales de oiro
florestas ou assim
qualquer crepúsculo
ou dia
ou noite
ampara o sonho
de eternidade presente...

Bia Didi disse...

Excelente o poema, o sentimento que dele emana e o comentário do Zé. O POETA é um sonhador, diz-se, e eu que sou tb uma sonhadora... AMEI!!! jinhos

Nati Caetano disse...

Olá querida Liz! Linda poesia amiga.
Na doce viagem,desnuda alma,suspensos no céu.Deixo aqui meu carinho e um feliz final de tarde para vc.Bjs

Aleatoriamente disse...

O sentimento... É um guerreiro do tempo quando é sincero.
Põe-se fiel como o cão ao seu dono.
A poesia é tempo.
A poesia é amor, entre uma saudade e uma espera.
O pincel que pinta a imagem de um ciclope,
e ao mesmo tempo faz o desenho de uma rosa.
Ambos com significados, ambos com seu momento.
Belo teu poemar Liz.