01/05/2011

Um Final de Tarde


Final de tarde
Na sala a marca da tua ausência
Na lareira crepita o fogo ritmado
Com os batimentos do meu coração
Coração que clama por ti
Sinto-me melancólica…
Ou nostálgica, não sei…
Só sei deste vazio imenso
Que sinto como se me faltasse
Uma parte de mim
E lá fora a chuva cai…

Encosto o rosto no vidro da janela
As gotas da chuva deslizam
Lágrimas do meu pranto em silêncio
Nada mais existe, só o vazio
E o meu pensamento que,
Sem eu dar por ele,
Resvala para um momento longe daqui
Um momento intemporal…

Profunda troca de olhares
Soltam-se estrelas no ar
Um bailado de desejo e paixão
Mãos que despertam os sentidos
Dos corpos nus em sintonia
Caminhantes num trilho de magia
Até ao mais ínfimo de nós
Misturam-se cheiros e sabores
Em ritmo de dádiva total
Unem-se as almas em plena devoção
E assim construímos a eternidade
Na extensão dos corpos fundidos num só



Nefertiti

3 comentários:

Centelha Luminosa disse...

OLá Nefertiti, olha eu aqui te visitando e me encantando com suas poesias maravilhosas. Tanto tempo, se passou desde quando nos visitávamos nos spaces...e tu continuas fiel à tua essência doce com aromas sensuais. Gosto de te ler, amiga, pois teus poemas mexem com os meus sentidos todos...rss..Ainda hei de aprender essa arte que os portugueses dominam tão bem: a da poesia! Felicidades, e beijinhos da amiga de sempre !

Aleatoriamente disse...

Que poema mais lindo!
Caminhar por entre poesia é tudo de mais precioso que a alma precisa.
muitas vezes encostei meu rosto na janela e elas as lágrimas faziam festa sozinhas no meu rosto.

Hoje...
Sou primavera quando a felicidade sorri no canto dos olhos, sou astronauta quando preciso ir até as estrelas.
Eu quero mais é me sentir inteira dentro do contexto, ou fora do contorno, depende mesmo do momento expressivo ou silencioso, os dois me satisfazem, então vêm.

Porque escrevo até nas paredes da memória, por onde caminham histórias inéditas que ainda não contei, é que sempre me identifiquei com letras e suas formas, gosto do plural quando o assunto é amor, reabasteço a minha necessidade porque sei que ninguém pode amar sozinho, ou ser sozinho quando carrega amor no CORAÇÃO .
O tempo urge mesmo sem noção, caminhemos então na parte que nos toca.

Cada sentimento é união, plena com nosso EU.
Parabéns , seu poema é muito lindo mesmo.

Fernanda

JoséManuelBarbosa disse...

São estes os momentos em que o tempo se defaz de névoas perfeitas
de sentimentos plenos
afinal intemporais...